O Walmart enviou a seus funcionários um memorando interno da empresa que os ordena a remoção de todo conteúdo que contenha “imagens violentas ou comportamento agressivo” em duas de suas lojas, de acordo com um artigo da VICE.

O escritor freelancer Kenneth Shepard postou um Tweet mostrando uma imagem do memorando, que mostra que imagens violentas em filmes e referências à caça também são proibidas juntamente com conteúdos relacionados a videogames.

O memorando pede que os funcionários “desliguem ou desconectem qualquer console de vídeo game que faça demonstração de jogos violentos, principalmente PlayStation e Xbox.”

Espera-se também que os funcionários cancelem quaisquer eventos futuros e removam todas referências que possam pertencer ao ‘estilo de combate ou jogos de tiro em terceira pessoa’, desliguem quaisquer filmes violentos e desliguem quaisquer ‘vídeos da temporada de caça’ e removam quaisquer monitores que exibem esses vídeos.

O Walmart não especifica ou indica qualquer jogo em particular, em vez disso, pede a seus funcionários que “usem [seu] melhor julgamento”.

O aviso vem na sequência de recentes tiroteios em dois locais do Walmart, com um acontecendo em uma loja em Southaven, Mississippi em 30 de julho e outro em uma loja em El Paso, Texas, em 3 de agosto.

Depois dos incidentes, o presidente Donald Trump culpou os problemas de saúde mental e os “horríveis videogames”, apesar da abundância de evidências de que os videogames não são os culpados .

Um funcionário do Walmart disse à VICE que o aviso é de fato real e que eles foram entregues depois que entraram no trabalho.

O funcionário jogou o aviso fora dizendo à VICE que “é obviamente uma maneira de transferir a culpa do problema real em relação aos tiroteios em massa. Eu não consegui confirmar isso ontem, mas eles não estão fazendo nada sobre as vendas de armas e munição na loja.”

Apesar da repressão à esses “conteúdos violentos”, o Walmart planeja continuar vendendo armas e munição em suas lojas, citando “nenhuma mudança” em sua política de armas.

Deixe uma resposta