O Twitch anunciou uma nova política com mais detalhes sobre conduta odiosa e assédio, a empresa programou essas novas regras para entrar em vigor no dia 22 de janeiro. Esse espaço de tempo dará a oportunidade aos streamers de ser adaptar de acordo com as novas regras, caso seja necessário.

Conduta odiosa, assédio e assédio sexual, são os pontos principais em que os streamers deverão se atentar nessa nova atualização.

Sobre conduta odiosa, o Twitch adicionou três características de identidade protegidas à sua lista casta, cor e status de imigração, o que significa que os usuários serão punidos por atacar alguém com base nessas características. As demais características protegidas são raça, etnia, nacionalidade, religião, sexo, gênero, identidade de gênero, orientação sexual, deficiência, condição médica grave e condição de veterano.

Além disso, a partir de 22 de janeiro, a bandeira da Confederação será adicionada à lista de símbolos de ódio do Twitch e banida dos canais, “dada sua associação histórica e simbólica com a escravidão e grupos de supremacia branca nos Estados Unidos”, disse a empresa. Grupos de ódio e sua propaganda também estão explicitamente proibidos desta vez. Emotes também serão examinados sob a nova política, mesmo sem texto de acompanhamento.

Sobre assédio, O Twitch adicionou os seguintes comportamentos específicos à sua linha de ofensas: alegar que a vítima de uma tragédia bem documentada é um ator de crise; encorajando outros a pesquisar e transmitir publicamente informações privadas ou identificação, hackear, golpear ou DDoS em alguém; e incitar ataques maliciosos aos perfis de mídia social de outra pessoa.

O Twitch transformou o assédio sexual em uma categoria separada e “adotou uma tolerância muito menor para o comportamento de objetificação ou assédio”. Especificamente, as seguintes ações são proibidas: comentar repetidamente sobre a atratividade de alguém quando ela indicou seu desconforto verbalmente ou por meio de castigos e proibições de canal; fazer comentários explícitos sobre a sexualidade ou aparência física de alguém, mesmo que seja uma figura pública; e compartilhamento de imagens ou vídeos de nudez não solicitados.

Insultos baseados no sexo e declarações objetivas sobre outros usuários ou figuras públicas resultarão em suspensão na primeira ofensa. “Fazer declarações depreciativas sobre as práticas sexuais ou moralidade sexual percebidas de outra pessoa” não é permitido, nem “fazer declarações degradantes sobre a saúde sexual de uma pessoa”.

“Sabemos que muitas pessoas no Twitch – especialmente mulheres, membros da comunidade LGBTQIA +, negros, indígenas e pessoas de cor – infelizmente continuam a sofrer uma quantidade desproporcional de assédio e abuso online, incluindo em nosso serviço”, post da empresa no blog disse. “Isso não apenas é flagrantemente inaceitável, mas também prejudica a comunidade que estamos construindo no Twitch e ameaça a viabilidade de longo prazo do streaming como uma carreira para todos que desejam segui-la.”

O Twitch está tentando adotar uma abordagem mais holística para a segurança na plataforma. A equipe de segurança considerará o contexto de incidências, observando os intervalos e proibições do canal, bem como relatórios diretos de usuários-alvo ou um moderador, para determinar se alguém passou do limite.